Hospital INC - Instituto de Neurologia de Curitiba

Homens são mais “frescos” que as mulheres quando sentem dor?

Neurocirurgião e Coordenador do Grupo de Dor do INC, Dr. Daniel Benzecry de Almeida explica o fator.


Mesmo sendo mais sensíveis que os homens, por razões hormonais as mulheres são também mais resistentes à dor.
“Durante o parto, as mulheres entendem a dor que um homem sente quando está com febre”. Já ouviu essa piada? De acordo com neurologistas e especialistas na área, essa brincadeira não reflete a realidade. Isto porque diferentemente do que diz o senso comum, as mulheres são sim mais sensíveis à dor e sentem em maior intensidade incômodos que podem passar despercebidos pelos homens.

A explicação está nos hormônios femininos, como o estrogênio, que além de controlar a ovulação, também intensifica sensações como a dor e a irritabilidade. Entretanto, justamente por sentirem dor em maior intensidade, as mulheres ficam também mais resistentes a ela. A resistência feminina está ligada ao fato de elas passarem por mais episódios dolorosos ao longo da vida – que incluem partos, crises de enxaqueca, cólica menstruais e acometimento por doenças crônicas – apesar de também evidenciar uma questão cultural, explica o coordenador do Grupo de Dor do INC (Instituto de Neurologia de Curitiba), Daniel Benzecry de Almeida. “Desde cedo a mulher desenvolve uma rotina de assistência médica, com idas ao ginecologista, por exemplo, algo muito diferente do comportamento masculino. Por isso e por passar vários episódios de dor, ela se conhece melhor e tem uma proteção para saber até que nível a sensação é aceitável. O que a mulher sente é mais forte, mas ela também tem uma melhor percepção da gravidade. Já o homem tende a perceber a dor de forma mais dramática”, resume.

Os estudos médicos na área provam que a ocorrência de doenças e sintomas dolorosos na mulher é realmente mais frequente. A Sociedade Brasileira do Estudo da Dor, por exemplo, diz que 15% das mulheres sofrem com cólicas menstruais excruciantes, suficientemente fortes para as deixarem de fora das atividades diárias como ir à escola ou ao trabalho. A dor do parto, que também é relatada por 95% das mulheres, quando comparada a outras condições dolorosas através do questionário de dor de McGill, recebe pontuação maior do que a dor do câncer ou de uma fratura óssea.

“A cefaleia, por exemplo, atinge o dobro de mulheres do que os homens. Em doenças crônicas como a fibromialgia, essa proporção pode ser até nove vezes mais comum entre elas”, diz Almeida.

Falando tecnicamente
Para a Sociedade Brasileira de Estudo da Dor, as alterações hormonais explicam a maior parte dos motivos pelos quais as mulheres sofrem mais. Isto porque “aumentam a expressão do fator de crescimento neural e o número de sinapses excitatórias no hipocampo”, segundo a instituição. Traduzindo, o estrogênio é capaz de potencializar tudo o que elas sentem. “Ainda faltam muitas respostas para conhecer exatamente como os hormônios influenciam diretamente nisso. Mas vamos entender dessa forma: se eu pegar um alfinete e picar meu dedo, o estímulo vai chegar ao meu cérebro, percorrendo um caminho”, exemplifica o neurocirurgião do INC. “Só que nesse trajeto podemos sentir a picada de forma mais forte, se estivermos gripados ou com febre. Esse fenômeno é a sensibilização. A teoria mais aceita é de que os hormônios ativam esse mesmo mecanismo e, através dos receptores, fazem as mulheres sentir mais dor”, finaliza.


Fonte: Viver Bem - Gazeta do Povo, 25/07/2019