Hospital INC - Instituto de Neurologia de Curitiba

Neurocirurgia pode curar pacientes com epilepsia que não respondem aos medicamentos

900 mil brasileiros que vivem com a doença não conseguem controlar crises com medicação, indicação de cirurgia será determinada após investigação com exames médicos e avaliação da qualidade de vida.

Neurocirurgia pode curar pacientes com epilepsia que não respondem aos medicamentos

Cerca de 3 milhões de brasileiros têm epilepsia, uma doença causada por descargas elétricas anormais que provocam alteração nos neurônios. Na Região Metropolitana de Curitiba a estimativa é que esse número chegue a 90 mil. A conscientização sobre a epilepsia é muito importante, para que fique claro que esta é uma condição que pode ser tratada. Com acesso a um diagnóstico e tratamento adequados, cerca de 70% dos pacientes poderão controlar as crises com medicamentos, inclusive, podem trabalhar e levar uma vida normal – e devem ser estimulados a isso.

Os outros 30% dos pacientes, que são refratários ao tratamento, podem se beneficiar da cirurgia que retira ou controla o foco epiléptico, indicação que será determinada após investigação com exames médicos, como ressonância magnética e eletroencefalograma prolongado. Segundo o neurocirurgião Dr. Murilo Meneses, chefe da Unidade de Cirurgia de Epilepsia do Hospital INC (Instituto de Neurologia de Curitiba), a indicação para cirurgia ainda avalia outros fatores como qualidade de vida, o trabalho e função que essa pessoa exerce, se está em idade escolar, e o impacto da medicação na saúde. “Temos muitos casos de pacientes em que a cirurgia contribuiu para mudar radicalmente a vida dele e da família”.

De acordo com a causa da epilepsia, muitos pacientes podem se curar ou melhorar o controle das crises. O tratamento com neurocirurgia vai desde remover a parte do cérebro doente até implantes de estimulação cerebral ou do Nervo Vago – um pequeno computador que detecta a chegada de uma crise e evita que ela ocorra por meio de estímulos. “São técnicas bem modernas e sofisticadas que estão evoluindo constantemente”, observa Murilo de Meneses, organizador do Simpósio INC de Cirurgia de Epilepsia, que será realizado no próximo sábado (18).

O evento on-line e gratuito terá uma programação de palestras com especialistas do INC, Universidade de São Paulo, Universidade Federal de São Paulo, Instituto de Previsión Social – Hospital Central (Paraguai), University of Miami (EUA), University of Montreal Hospital Center (Canadá) e Nicklaus Children’s Hospital Brain Institute (EUA).

Centro especializado
No INC, a Unidade de Cirurgia de Epilepsia do INC investiga pacientes com epilepsia há 23 anos. O centro especializado é formado por uma equipe de neurocirurgiões, neurologistas, epileptologistas, neuropediatras, psiquiatra, neuropsicólogos e especialistas em exames como tomografia, ressonância magnética e medicina nuclear. Essa estrutura e corpo clínico possibilitam que cada caso seja avaliado e investigado, e que decisões sobre cirurgias e outros tratamentos sejam tomadas em conjunto
.

Importante lembrar que mesmo as técnicas mais complexas de estimulação cerebral ou do Nervo Vago já fazem parte do rol da ANS (Agência Nacional de Saúde) e Anvisa que reconhecem esses procedimentos e, consequentemente, são cobertos pelos planos de saúde.

 

SERVIÇO:

Simpósio INC de Cirurgia de Epilepsia

Data: sábado, 18 de setembro

Hora: das 8h às 13h30

Participação: gratuita

Inscrições: https://eventosinc.com.br/evento-inscricao.php?evento=40

Fonte: Massa News | 15.09.2021